NOS EUA VOCÊ PODE SER DONO DE CAIXAS ELETRÔNICOS

 

Somente bancos e operadoras podem ser proprietários de caixas eletrônicos no Brasil. Mas essa não é a realidade de todos os países. Nos Estados Unidos, por exemplo, é possível investir e estabelecer uma rede particular desses equipamentos.

A rentabilidade desse negócio atraiu dois brasileiros, Francisco Moura Junior e Nilo José Mingrone. Eles se empolgaram com possibilidade de possuir Automated Teller Machines (ATM) — ou caixas eletrônicos — nos Estados Unidos e criaram o ATM Club.

A ideia do investimento surgiu após Migrone e Moura conversarem com um vizinho argentino que já aplicava o dinheiro em uma empresa parecida. Além da rentabilidade, o amigo ressaltou o fato dos ATMs quebrarem barreiras geográficas. “Nós queríamos abrir um negócio em que uma pessoa de qualquer parte do mundo pudesse investir”.

De acordo com Francisco, o modelo de negócio transmite segurança ao investidor porque não existem aportes mensais para cobrir eventuais riscos ou prejuízos, pois o giro é feito por meio das transações realizada nos caixas.

“Nos Estados Unidos, quando uma pessoa retira dinheiro em um caixa eletrônico, ela paga uma taxa média de U$ 2,99 por saque. Cerca de 30% desse valor é transferido para o local onde o caixa eletrônico está instalado; outros 25% são utilizados para serviços de manutenção e administração; e o restante vai para o investidor. Dessa forma, o proprietário do caixa eletrônico receberá U$ 1,34 por transação”, afirma.

Presente em cidades como Orlando, Miami, Jacksonville, Nova Iorque, Nova Jersey e São Francisco, o ATM Club tem uma rede hoje de aproximadamente 600 pontos de atendimento. Mas o investidor pode formar uma rede própria, dependendo do valor inicial aplicado.

“O valor por ATM é de U$ 10 mil: U$ 7,5 mil do ATM cobre a locação por cinco anos e o U$ 2,5 mil restante é para o capital de trabalho — o dinheiro que circula”, ressalta Moura.

Para garantir a segurança no investimento, o dono pode acompanhar o desempenho dos caixas eletrônicos em tempo real, via internet ou através de um software.

Para a bancária Ana Lúcia Soares, antes de colocar o seu dinheiro em qualquer negócio é necessário estudar bem aquele mercado. Ela avalia o ATM Club como uma opção inovadora, mas como qualquer investimento é preciso ler todas as cláusulas do contrato para evitar futuras dores de cabeça.

“Independentemente do negócio, é fundamental fazer escolhas que atendam suas expectativas e que tenham bom potencial de valorização”, conclui Ana Lúcia.

Por que investir nos Estados Unidos e não no Brasil?

Francisco Moura Jr. - ATM Club
Para Moura, o principal benefício de entrar no ATM Club é diversificar a carteira. Além disso, investir em diferentes moedas diminui os riscos de uma perda total do dinheiro. “O dólar, por exemplo, é uma moeda estável e confiável”, frisa.

Além disso, segundo o especialista, o mercado americano apresenta a maior e a mais rápida recuperação em caso de queda. “Nós acompanhamos a retomada do ‘pós-pandemia’, por exemplo e, realmente, a velocidade de retorno foi muito grande”, frisa.

O especialista financeiro Leandro Araujo concorda e diz que investimentos em moedas fortes — como dólar e euro –, o risco acaba sendo no próprio negócio e não na valorização ou desvalorização da moeda. “Existem várias opções bastante seguras para se investir no exterior. Mas é preciso estudar muito e ter certeza de onde se aplica o dinheiro”, explica.
Jacó Costa. Tecnologia do Blogger.