Governo suspende contratos do ‘tratoraço’ após relatório da CGU apontar sobrepreço

O Ministério do Desenvolvimento Regional decidiu suspender os contratos destinados para a compra de máquinas agrícolas no chamado “tratoraço” após orientação da Controladoria-Geral da União (CGU) que apontou o sobrepreço de R$ 142 milhões na compra, que tem um valor total de R$ 3 bilhões.

A auditoria foi instaurada após reportagem do jornal Estadão, que revelou a existência do mecanismo de “toma lá, dá cá” do governo Jair Bolsonaro a fim de aumentar sua base de apoio no Congresso Federal.

Apesar de ter negado irregularidades nos últimos quatro meses, o Ministério do Desenvolvimento Regional, responsável pela liberação de recursos, decidiu acatar a decisão da CGU e interromper os pagamentos de 115 convênios firmados com municípios, além de renegociar lotes de uma licitação bilionária.

Em junho, o titular da pasta, o ministro Rogério Marinho, pediu pela instauração da auditoria como forma de comprovar que não havia sobrepreço nos contratos do Ministério, algo que foi contradito pelo relatório da CGU que apontou risco de sobrepreço “alto ou extremo” em 61% dos 188 convênios analisados.

“Como se pode falar de superfaturamento em uma compra que não foi feita? Ou houve açodamento por parte do jornal e do jornalista, na pressa de se pregar uma narrativa, ou houve má-fé deliberada”, justificou o ministro na ocasião.

Em nota enviada ao Estadão, o Ministério do Desenvolvimento Regional disse que os convênios permanecerão suspensos até que os municípios apresentem as correções e que medidas estão sendo tomadas para “sanar os riscos averiguados”.

“O ministério reafirma o compromisso com a higidez e boas práticas de gestão pública”, escreveu o órgão.

 

Jacó Costa. Tecnologia do Blogger.