Para salvar o Brasil, Exército atende Bolsonaro: 2,2 milhões de comprimidos de cloroquina estão prontos e produção será ampliada


Fotomontagem/JCO

O laboratório do Exército Brasileiro, tão logo recebeu a determinação do presidente Jair Bolsonaro, iniciou a produção da cloroquina.

Até o momento, já foram produzidos 2,2 milhões de comprimidos.

O objetivo agora é aumentar a produção para 1 milhão de comprimidos por semana.

Como se sabe, a cloroquina vem sendo estudada como um dos medicamentos possíveis no tratamento da Covid-19.

Resultados altamente positivos já foram alcançados e tudo indica que o presidente Jair Bolsonaro acertou em cheio ao determinar a produção em massa.

O virologista Paolo Zanotto, professor do Departamento de Microbiologia da USP, assegura que o uso da hidroxicloroquina em pacientes de coronavírus é o método mais eficaz para salvar milhares de vidas, evitar uma tragédia de proporções colossais e vencer a pandemia que assola o mundo.

Estudioso da evolução do vírus, com doutorado na Universidade de Oxford, Zanotto participou da elaboração de um protocolo que vem sendo adotado nas últimas semanas por alguns dos principais hospitais de São Paulo — como a Santa Casa, o Albert Einstein e o Sancta Maggiore — no tratamento de pacientes com sintomas iniciais de Covid-19.

De acordo com esse protocolo, a cloroquina deve ser administrada aos pacientes logo no início da doença, preferencialmente do 2º ao 4º dia do aparecimento dos primeiros sintomas, como febre, tosse, coriza e respiração superior a 22 vezes por minuto.

As pessoas que manifestam esse quadro devem receber o medicamento na própria casa, o que desafogaria as redes hospitalares e o sistema de saúde como um todo.

Nenhum comentário

Jacó Costa. Tecnologia do Blogger.