Após empate do Botafogo, ABC vence nos pênaltis, por 4 a 1

 COPA DO BRASIL

Jogadores do ABC festejam a vitória nas penalidades sobre o Botafogo e a classificação para a próxima fase do torneio nacional

Sofrimento não faltou, o ABC que largou na frente no placar num chutaço de Maycon Douglas, esteve à frente do placar no estádio Frasqueirão até o último lance da partida, quando o zagueiro Gilvan subiu mais que todo mundo e decretou o empate para o Botafogo. Mas no fim, brilhou a competência dos cobradores de pênaltis treinados por Sílvio Criciúma, bem como a experiência do goleiro Wellington, que defendeu uma cobrança e garantiu a vitória por 4 a 1 nas penalidades, mais a quantia de R$ 1,7 milhão para os cofres do clube.

Mesmo sem poder contar com sua principal peça ofensiva, Wallyson, afastado do confronto devido a uma lesão muscular, o ABC começou a partida em cima do clube carioca, mostrando que com a falta de um armador de jogadas no meio-campo, iria apostar na velocidade dos seus jovens atacantes: Alan Pedro e Vitinho. Assim, em menos de cinco minutos a equipe já havia realizado duas conclusões ao gol adversário.

O Botafogo buscava atuar com organização, chegava com algum perigo a área abecedista, mas nenhuma com chance de conclusão. Dentro do seu plano de jogo, o ABC acabou premiado aos 10 minutos, quando Maycon Douglas pegou o rebote de um chutão da defesa, passou por dois marcadores  e arriscou um belo chute da entrada da área, sem chance de defesa para o goleiro Douglas Borges, colocando os natalenses em vantagem.

Depois disso, o Botafogo adiantou a marcação e passou a ter um maior controle da situação dentro de campo. O ABC também passou a apresentar dificuldades em sair em velocidade, errando muito na construção das jogadas. O resultado dessa queda no rendimento foi que a bola permanecia mais tempo no campo de defesa dos potiguares, onde a linha de zaga se virava como podia para afastar as bolas.

Dessa forma o jogo foi se arrastando, os visitantes tinham a posse de bola, mas faltava objetividade. O ABC buscava ser objetivo nos seus toques, mas faltava velocidade, movimentação, o que deixava a equipe previsível. 

Encaixotado na marcação botafoguense, o time do ABC tinha dificuldade de chegar na área adversária no início do segundo tempo. A equipe tinha suas linhas atuando muito distantes e enfrentava dificuldade para manter a bola no campo ofensivo. Isso permitia ao adversário rondar com muita frequência a área de Wellington, obrigado a se manter em alerta permanente, embora os ataques dos cariocas não fossem tão incisivos.

Wellington teve vida relativamente tranquila até os vinte e cinco minutos, quando Marcinho arriscou de longe, obrigou o goleiro alvinegro a realizar grande defesa, no rebote, Warley completou e o goleiro abecedista salvou de novo, naqueles que foram os lances mais agudos dos cariocas na partida.

A tática "suicida" deu certo até os 57 minutos, quando após a cobrança de um escanteio, Gilvan subiu mais que a zaga e mandou para o fundo da rede de Wellington, deixando tudo igual no Frasqueirão e levando a decisão da vaga para os pênaltis.

Por sorte, o ABC apresentou um grande aproveitamento na decisão realizada através dos tiros livres diretos, quando os jogadores abecedistas não erraram nenhuma cobrança e ainda viram o goleiro Wellington pegar a cobrança de Marcinho e Cesinha isolar a bola no lado dos cariocas. Marcílio, Allef, Marcos Antônio e Janderson foram perfeitos nas cobranças e converteram todas, no outro lado, apenas Ricardinho acertou o gol. 

(Por:Tribuna do Norte)
Jacó Costa. Tecnologia do Blogger.