NÁUTICO QUEBRA TABU DE 53 ANOS CONTRA O SPORT E É CAMPEÃO PERNAMBUCANO

 Nos pênaltis, Náutico quebra tabu de 53 anos diante do Sport e é campeão pernambucano


O tabu, que durava desde 1968, não existe mais. Após 53 anos, o Náutico voltou a vencer o Sport numa decisão, exorcizou o fantasma de uma longa escrita e chegou, nos Aflitos, ao seu 23º título pernambucano da história. Para fazer isso, no entanto, a equipe teve de lutar um bocado. Saiu na frente com Kieza, aos 33 do segundo tempo, pareceu ter deixado o troféu escapar quando sofreu o empate aos 42, mas cresceu nos pênaltis. Até a sorte favoreceu o Timbu. Giovanny perdeu sua cobrança, mas o VAR - alegando que Maílson se adiantou - mandou repetir a cobrança. Ele fez, Marquinhos perdeu e K-9 definiu. O Timbu, dono do melhor ataque e da melhor campanha, é campeão estadual de 2021.

A participação do VAR deu confusão. Jogadores e comissão técnica do Sport, revoltados, participaram para cima do trio de arbitragem, que teve de ser protegida pelos seguranças.

Herói do título

Além de artilheiro, com 10 gols, Kieza foi o herói do título do Náutico. Autor do gol do Náutico no tempo normal, coube a ele bater - e converter - o pênalti decisivo. Ídolo da torcida pelo acesso à Série A em 2011 e por outras boas passagens pelo clube, agora ele escreve seu nome na história alvirrubra com título, seu primeiro nos Aflitos.

Ficou no quase

Em 2019, o Sport venceu o Náutico nos pênaltis. O grande nome daquela conquista foi Maílson, com duas defesas. Neste ano, de novo no gol, ele pegou um, mas o árbitro mandou voltar. Desta vez, o goleiro não fez a diferença a favor do Leão.

Tirou um caminhão

O meia Giovanny tirou um caminhão das costas quando o árbitro mandou voltar o pênalti que ele havia perdido. Da forma que bateu, certamente seria acusado de displicência. Na segunda chance, ele chutou mais forte e marcou.

Outro tabu quebrado

Além de não ganhar do Sport em finais desde 1968, o Náutico não vencia um título nos Aflitos desde 74 (embora, é verdade, só houvesse disputado uma final desde então no estádio, em 75). Hoje, mais essa escrita foi quebrada.

Discreto

Acionado como titular desde o início, Thiago Neves saiu no segundo tempo - e teve atuação apagada. Aparentemente longe do ritmo ideal, já que voltava de lesão muscular, não conseguiu levar perigo ao gol do Náutico. Foi discreto no jogo.

Destaque positivo

O Sport, em uma partida de pouca inspiração, não tem o que comemorar. Mas há de se ressaltar a atuação segura de Iago Maidana. Ele cortou muitas bolas, por cima e por baixo, tirou dois gols certos do Náutico, em cima da linha de gol do Sport, e ainda converteu seu pênalti com categoria.

Cenas lamentáveis

A final do Campeonato Pernambucano terminou em pênaltis (com VAR) e confusão. Após o Náutico confirmar o título com a cobrança de Kieza, os jogadores do Sport partiram para cima da arbitragem, e a decisão acabou em confusão. Seguranças precisaram entrar em campo para que o árbitro Rodolpho Toski Marques fosse para o vestiário dos Aflitos.

ge
Jacó Costa. Tecnologia do Blogger.