Terceira dose começará por profissionais de saúde e idosos, diz Queiroga

 

Em meio ao avanço da variante delta e, também, da vacinação contra a covid-19 no Brasil, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, informou nesta quarta-feira (18/8) que a terceira dose da vacina contra o novo coronavírus começará a ser aplicada nos grupos prioritários. Os primeiro na fila da dose de reforço são os profissionais de saúde e os idosos. 

"Como será essa terceira dose? A gente vai começar pelos grupos prioritários. Então, de novo os profissionais de saúde e os mais idosos. Nós sabemos que os indivíduos idosos têm o sistema imunológico mais comprometido, e, por isso, são mais vulneráveis", afirmou em entrevista coletiva sobre a distribuição de vacinas contra a covid-19.

Apesar de indicar quais grupos receberão a aplicação de uma possível terceira dose, Queiroga disse que ainda não há definição de quando ela será realizada. "Sabemos que já está em discussão a chamada terceira dose, um reforço. Ainda não há uma evidência científica sólida em relação a como deve ser essa terceira dose, se é do mesmo imunizante, se é de outro imunizante, qual é esse imunizante, qual o momento de se fazer isso", indicou. 

O Ministério da Saúde já realiza um estudo com 1,2 mil voluntários para avaliar a necessidade de uma terceira dose de vacina para quem tomou a CoronaVac. A pesquisa, feita com pessoas com mais de 18 anos que receberam as duas doses da CoronaVac há, pelo menos, seis meses, vai verificar a intercambialidade de vacinas. Ou seja, a aplicação de uma terceira dose da vacina da Pfizer, da AstraZeneca e da Janssen em pessoas que tomaram as duas doses da CoronaVac.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) também já aprovou, até o momento, três pedidos para realização de estudos clínicos considerando a administração de doses extras das vacinas. Dois deles da AstraZeneca e um da Pfizer.

 Veja mais aqui.


Jacó Costa. Tecnologia do Blogger.