CHEFE DE QUADRILHAS PROCURADO EM PERNAMBUCO É PRESO EM CONDOMÍNIO DE LUXO EM PRAIA DO RIO GRANDE DO NORTE

Homem mais procurado de Pernambuco foi preso em Natal – Foto: Divulgação/Polícia Civil de Pernambuco

Um homem de 34 anos que chefia quadrilhas responsáveis pela maioria dos homicídios em 16 cidades da Região Metropolitana do Recife e do Litoral de Pernambuco foi preso em um condomínio de luxo na praia de Ponta Negra, em Natal, capital do Rio Grande do Norte. Segundo a Polícia Civil, ele era o criminoso mais procurado pelo estado.

A prisão ocorreu na quinta-feira (3), mas foi divulgada pela Polícia Civil de Pernambuco apenas nesta segunda-feira (7) por questões de segurança da operação, que realizada após quase dez meses de investigações. O nome do homem preso não foi divulgado pela corporação.

Segundo a corporação, ele chefia duas quadrilhas com atuação em diversas cidades da Região Metropolitana do Recife, da Mata e Litoral Sul.

Uma das quadrilhas que ele chefiava é a responsável pela maioria dos assassinatos nas cidades de Ipojuca, Cabo de Santo Agostinho, Sirinhaém, Escada, Primavera, Maraial, Catende, Água Preta, Ribeirão, Gameleira, Palmares e São José da Coroa Grande. A outra associação criminosa cometia homicídios em Itamaracá, Itapissuma, Igarassu, Paulista e Olinda.

Ainda segundo a Polícia Civil, o chefe das quadrilhas ordenava os assassinatos e comandava também o tráfico de drogas nesses municípios. Com a prisão dele, a corporação acredita que o índice de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) no estado vão diminuir.

As quadrilhas chefiadas pelo criminoso cresciam ao longo de, pelo menos, dois anos, ainda de acordo com o delegado. Cláudio Neto contou que foi criado um grupo de trabalho junto com a diretoria de inteligência da Divisão de Homicídios Metropolitana Sul para localizar e capturar o homem que comandava os grupos criminosos.

“Ele já tinha sido alvo de três operações de repressão qualificada e, infelizmente, não foi localizado e já tinha contra ele, pelo menos, três mandados de prisão em aberto. Então foram dez meses de muito trabalho e nós realmente decidimos partir para essa estratégia porque todo mundo do meio policial sabia da importância e da repercussão que a prisão dele iria ter nesse momento”, disse o delegado.

Após a operação, o homem foi levado para uma unidade prisional no Rio Grande do Norte. Cláudio Neto afirmou que ele será monitorado pelos órgãos de segurança e que, se for necessário, será solicitada a transferência dele para uma prisão federal.

Com inforrmações do g1/PE 

Jacó Costa. Tecnologia do Blogger.