BOLSONARO VAI MONTAR GABINETE PARA GOVERNAR DIRETO DO HOSPITAL

 O vice-presidente Hamilton Mourão não precisa voltar com tanta pressa da viagem oficial que faz a Angola. Se quiser, poderá curtir o fim de semana em Luanda. Come-se bem por lá e vale conhecer a Ilha do Cabo, uma estreita língua de terra com 7 quilômetros de comprimento que separa Luanda do oceano Atlântico.

O deputado Arthur Lira, presidente da Câmara, não tem por que se preocupar com a condição de réu em vários processos, o que em tese o impediria de assumir a presidência da República na ausência de Mourão e de Jair Bolsonaro, esse doente e recolhido a uma suíte do hospital Vila Nova Star, em São Paulo.

Bolsonaro ordenou a montagem de um pequeno gabinete para chamar de seu e, do hospital, continuar governando o país. Como já fez de outras vezes em que esteve internado para tratamento médico. Quer demonstrar com isso que sua situação não é má, e que é capaz de sacrificar a própria saúde para servir ao país.

Até aqui, tudo está saindo de acordo com o figurino inspirado em ocasiões anteriores: alarme na hora da internação; pedidos de orações para mobilizar seus devotos; informações desencontradas sobre o estado de saúde; remoção para São Paulo se necessário; boletins médicos tranquilizadores; finalmente, alta.

Menos de 24 horas depois de chegar à capital paulista com o diagnóstico de obstrução intestinal, o que poderia levá-lo a submeter-se a uma cirurgia de emergência, seu médico, Antonio Macedo, admitiu que a cirurgia, por ora, foi descartada. Bolsonaro já visitou outros pacientes e foi entrevistado em programa de tv.

Como ficará de repouso por mais alguns dias, por que não produzir fatos que virem notícia e garantam a atenção permanente dos holofotes? Daí o gabinete hospitalar, ou gabinete paralelo, só em nome parecido com o outro que orientou todos os seus passos no falso combate travado contra o coronavírus.

Não quer dizer que sua enfermidade seja mais uma fake news, concebida justo no momento em que sua popularidade está em baixa e a CPI da Covid-19 tirou-lhe o sono e o sossego. Ainda existe o risco de ele ser operado pela sétima vez desde a facada de Juiz de Fora. Ter o intestino mexido tantas vezes é sempre algo arriscado.

É possível que a cirurgia fique para outra oportunidade. Ou que ele esteja sendo preparado para ser operado em breve. Só ele e seus médicos sabem – ou talvez nem eles com tanta segurança assim. Vai depender do avanço de sua recuperação clínica.

Fonte: Blog do Noblat/Metrópoles

Foto: Reprodução

Jacó Costa. Tecnologia do Blogger.