PRESO NA PENITENCIÁRIA FEDERAL DE MOSSORÓ, ACUSADO DE CHEFIAR GRUPO DE EXTERMÍNIO INTUBADO EM UTI SERÁ TRANSFERIDO PARA MATO GROSSO DO SUL

Juiz devolve Jamil Name a MS, mas mantém escolta até em UTI de hospital da cidade enquanto estiver em Mossoró.
Família tenta transferir empresário de Mossoró para UTI de hospital particular de Brasília (Foto: Arquivo)

O juiz federal Walter Nunes da Silva Júnior, corregedor do Presídio Federal de Mossoró (RN), determinou o retorno de Jamil Name, 82 anos, a Mato Grosso do Sul. 
No entanto, ele não aceitou pedido da defesa nem determinação da Justiça estadual para suspender a escolta do empresário, acusado de chefiar um grupo de extermínio, mesmo estando intubado desde o dia 02 de junho em  uma  UTI (Unidade de Terapia Intensiva) de um hospital particular da cidade, em decorrência das complicações da covid-19.
A defesa de Jamil Name tenta autorização no STJ (Superior Tribunal de Justiça) para transferir o preso da Operação Omertà, para hospital em Brasília. 
Se autorizada a transferência, deve ser levado a UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) em unidade hospitalar da rede particular que é referência no tratamento da doença na capital federal.

O Jacaré/Campo Grande News
Jacó Costa. Tecnologia do Blogger.