Brasil retorna ao Mapa da Fome, aponta relatório elaborado por ONGs

 

Mais de um milhão de potiguares vivem constantemente a realidade de não saber o que vão comer, nem quando vão fazer a próxima refeição. Os números não são exatos, são projetados com base em dados do IBGE, mas refletem o que vemos diariamente nas ruas. A pandemia agravou a situação de vulnerabilidade de famílias inteiras Brasil afora. 2020 e a maior crise sanitária do século trouxeram também uma crise social sem precedentes. 

Divulgado o Relatório Luz, elaborado por ONGs – entre elas a Ação da Cidadania, aponta que o Brasil voltou ao Mapa da Fome, do qual tinha saído em 2014, depois de reduzir em 82% a fome, desnutrição e subalimentação nos 12 anos anteriores. Em todo o país, mais da metade de população, 113 milhões de pessoas estão em situação de vulnerabilidade alimentar. Destas, 19 milhões vivenciam efetivamente a situação de fome.

A situação é gravíssima e a atuação de ONGs e iniciativas da sociedade civil ajudam a amenizar o impacto da crise. No RN, a ONG Avoante, em parceria com a Ação da Cidadania, distribuiu 8.650 cestas básicas (cerca de 103 toneladas de alimentos) desde o início da pandemia. Outras 2 mil cestas devem chegar ao Estado neste fim de semana. “O Brasil, em vez de incrementar os investimentos nas áreas sociais, reduziu esses recursos. Cabe então à sociedade civil se indignar com essa realidade e se organizar para intervir das mais diversas formas em busca de uma solução. Diversas ONGs, coletivos, associações e até mesmo iniciativas individuais já vem acontecendo nesse sentido”, diz Carlos Freire, coordenador da ONG Avoante.

A campanha Brasil sem Fome, da Ação da Cidadania, se encarrega da arrecadação de fundos para aquisição destes alimentos, enquanto a Avoante é responsável pela distribuição no RN. Por causa da pandemia, as doações estão sendo feitas apenas em dinheiro, no site www.brasilsemfome.org.br, e são 100% revertidas em alimentos. No Estado, mais de 6 mil famílias já foram beneficiadas.   

O relatório divulgado hoje também aponta que das 169 metas analisadas por organizações não governamentais, entidades e fóruns da sociedade civil brasileira, mais de 80% delas estão em retrocesso, estagnadas ou ameaçadas, incluindo a erradicação da pobreza, fome zero e redução de desigualdades. Não há uma meta sequer com avanço satisfatório.

"Quando falamos em mais de 100 mil quilos de alimentos distribuídos pensamos tratar-se de muita coisa, mas frente a essa realidade que estamos vivendo ainda é muito pouco. Precisamos, cada vez mais, da participação efetiva da sociedade civil. Convido todos a darem sua contribuição, seja ela qual for", finaliza Carlos. 


Jacó Costa. Tecnologia do Blogger.