O Rio Grande do Norte é alvinegro pela 57ª

 


Vindo com um jejum de cinco confrontos sem vitória no clássico, o ABC escolheu o momento certo para dar o golpe fatal no América, vencer o segundo jogo da final do Estadual por 4 a 2 , nesta quarta-feira no Frasqueirão e garantir a conquista do 57 título no RN.

Wallyson, que também amargava um jejum de gols de um mês, marcou duas vezes: um gol olímpico e outro de pênalti e mostrou  que o melhor do Mago estava reservado para garantir a festa dos 15.069 abecedistas nas arquibancadas do estádio. Jefinho e Fábio Lima completaram o placar. Elvinho e Wallace Pernambucano descontaram para o Alvirrubro.

Dono da casa, o ABC tratou de fazer as honras para torcida alvinegra, que compareceu em bom número ao estádio, e partiu para cima do América. Kelvin, destaque do primeiro jogo da final, ganhou a bola de três adversário e cruzou em busca de Wallyson, que acossado por Jean Pierre não conseguiu completar o lance, permitindo o corte da zaga.

O ABC continuou insistindo e numa falha de marcação adiantada do América, permitiu que Felipinho avançasse livre até cruzar para Kelvin acertar um bom chute de fora da área e obrigar Bruno Pianissolla a realizar a primeira boa defesa na decisão.

Burocrático no toque de bola atrás de encontrar brechas na zaga abacedista que voltou a contar com três zagueiros, o Alvirrubro não conseguia acertar o último passe, facilitando a vida dos defensores adversários. Até a metade da etapa inicial, a partida teve apenas um chute na direção do gol, mostrando que a preocupação de destruir era maior que a de construir jogadas ofensivas.

Com tamanha falta de espaços, o gol saiu num lance de escanteio, aos 27 minutos. Para os abecedistas ele foi de Wallyson que cobrou de forma bem fechada e acabou fazendo um gol olímpico. Antes de entrar a bola ainda bateu na trave. Mas ficou a dúvida se antes, a bola foi desviada de forma leve pelo zagueiro americano Lucas Rex.

O América acordou depois dos 40 minutos, quando Wallace Pernambucano criou uma boa chance e chutou para defesa de Pedro Paulo, mas depois ele conseguiu tabelar com Elvinho e deixar o companheiro na cara do gol. Elvinho entrou livre na área e decretou o empate aos 42 minutos, voltando a levar um clima de apreensão para as arquibancadas ao final da etapa.

Ao contrário do primeiro tempo, quem começou assustando no segundo tempo foi o América, que num lançamento de Elvinho para área, William Marcílio entrou por trás da zaga e quase virou o placar. Para sorte alvinegra, Pedro Paulo estava bem colocado e conseguiu realizar a defesa.

Aos 10 minutos, em outro lançamento, Araújo chegou primeiro na bola, tentou cruzar e Felipinho cortou com a mão. Daronco foi conferir o lance no VAR e assinalou o pênalti. Wallace Pernambucano assumiu a responsabilidade da cobrança e decretou a virada alvirrubra no Frasqueirão, marcando quarto gol nos clássicos na temporada e oitavo na briga pela artilharia, aos 12 minutos.

Depois de falhar feio no lance do pênalti, o lateral esquerda Felipinho se redimiu aos 24, quando tabelou com Wallyson e sofreu e foi derrubado na área. Dessa vez Daronco não necessitou nem do auxílio do VAR para apontar a marca da cal. Wallyson foi para batida e conseguiu converter deixando tudo igual no placar novamente.

Animado com o gol, o ABC buscou continuar no ataque e aos 29 minutos conseguiu a revirada em outra cobrança de escanteio. Dessa vez Wallyson cruzou, Jefinho cabeceou a bola desviou no zagueiro americano, Lucas Rex, e entrou. ABC 3 a 2.

Com Luiz Henrique e Mayco Félix, dois homens ofensivos, o América adiantou suas linhas e correu riscos. Tanto que o ABC esteve a ponto de matar o jogo duas vezes nos pés de Fábio Lima. Na primeira o atacante chutou e o goleiro Bruno salvou com o pé, na segunda, ele recebeu a bola na área, bateu, mas acertou o travessão.

Sem conseguir encaixar um bom ataque, o América tentou o empate num chute de Zé Eduardo, que passou por cima. Mas continuou deixando brechas na zaga, até que aos 44, Kelvin desceu pela direita, cruzou e Fábio Lima decretou a conquista do 57 título abecedista, fazendo 4 a 2. 

Allan Dias recebe o ‘Marinho Chagas’
O Sistema Tribuna do Norte de Comunicação (Jornal Tribuna do Norte, Portal Tribuna do Norte e Rádio Jovem Pan News Natal) premiou o CAMPEÃO ESTADUAL 2022 com o troféu Marinho Chagas, trabalho do design gráfico Iran Araújo. Quem recebeu foi o meio-campista Allan Dias, que se mostrou emocionado com a homenagem pretada pela emissora.

“Feliz demais, muito grato.  Tenho de agradecer a Deus, as nossas esposas e familiares. Foi muito difícil. Chorei, senti dor, chorei no vestiário, enxuguei as lágrimas mas passei forças para os meus companheiros. Foi o jogo mais difícil da minha vida. É uma honra receber esse troféu pelo ABC, mas queria ficar para mim”, disse Allan Dias, capitão do time, em toda campanha do Alvinegro, mas que ficou de fora da final, contundido.

Marinho Chagas faria 70 anos este ano se vivo fosse. Que ele começou a jogar no Riachuelo e foi comprado pelo ABC por pares de chuteiras entregues ao clube da Marinha do Brasil, na época.Coloque também que ele foi ídolo no Botafogo e no Cosmos dos EUA. Que na Seleção Brasileira foi considerado o melhor jogador da Copa do Mundo de 1974. De volta ao Rio Grande do Norte chegou a trabalhar como comentarista em uma TV local e que faleceu em João Pessoa.

TRIBUNA DO NORTE

Jacó Costa. Tecnologia do Blogger.