Governo lança campanha RN Chega Junto no Combate à Fome. Executivo estadual doou 35 mil cestas básicas para famílias em situação de vulnerabilidade social.

 COMBATE A FOME

Campanha é uma reedição da parceria já feita em 2020 com a Associação dos Supermercados do Rio Grande do Norte. 

 Garantir a segurança alimentar da população em situação de vulnerabilidade social, especialmente diante da grave crise sanitária que vem sendo enfrentada por causa da pandemia do novo coronavírus, é o objetivo da campanha RN Chega Junto no Combate à Fome, lançada pelo Governo do Rio Grande do Norte.

A campanha é uma reedição da parceria já feita em 2020 com a Associação dos Supermercados do RN (ASSURN), para arrecadar alimentos, com o apoio da sociedade civil, e doá-los às famílias com maior dificuldade financeira. Para esta nova fase do programa, o Estado doou 35 mil cestas básicas e a ASSURN, duas mil unidades. Elas serão entregues a 67 municípios de 10 territórios do RN.

É importante destacar que as consequências sociais e econômicas da pandemia da covid-19 agravaram a fome em todo o Brasil, que já vinha aumentando e superou em 2020 os níveis registrados no início da década passada, quando foi criado o Bolsa Família.

 Com a covid-19, houve queda de renda e a inflação de alimentos superou os 15% nos 12 meses iniciais da pandemia, quase o triplo da inflação geral, dificultando o acesso regular a refeições para muitas famílias.

De acordo com o Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, realizado pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan), no Norte e no Nordeste, a fome atinge 18,1% e 13,8% dos domicílios, respectivamente, contra menos de 7% nas demais regiões do país, superando a média de 9% referente a todo o território nacional.

Desde o início da pandemia, o Governo do RN já distribuiu 104.662 mil cestas básicas, o que equivale a aproximadamente 1 milhão e 300 mil quilos de alimentos. 

Segundo a governadora Fátima Bezerra, no Rio Grande do Norte, mais de 36 mil famílias aguardam na fila para entrar no Programa Bolsa Família. Ela também lembra que a insegurança alimentar e nutricional significa fome e, para combatê-la, além das campanhas emergenciais neste momento, o governo estadual tem dois programas permanentes, o Restaurante Popular e o Leite Potiguar.

O Restaurante Popular serve diariamente 42 mil refeições ao valor de R$ 1,00 o almoço, e R$ 0,50 o Café Cidadão e a Sopa Cidadã, cada. População em situação de rua, refugiados, migrantes e apátridas nos municípios de Natal, Mossoró, Parnamirim, Caicó e Macau não pagam nada. Já o Programa Leite Potiguar atende 70 mil famílias em todo o RN.

Também foram implementados durante a pandemia quatro programas para proteção e assistência social: o RN Mais Protegido, o RN Mais Unido, o RN Chega Junto e o RN Chega Junto Solidariedade Natalina (lançado em dezembro de 2020). Como resultado, esses programas distribuíram um total de 1.317,5 toneladas de alimentos - a soma das 956,7 toneladas em 2020 e as 367,5 toneladas das 35 mil cestas básicas que estão sendo doadas neste mês abril.

O governo estadual também distribuiu 6 mil kits de alimentação pronta para a população em situação de rua e kits de higiene e limpeza nos municípios de Natal, Mossoró, Caicó, São José de Mipibu, parnamirim e Macaíba, com a participação do Movimento Nacional da População em Situação de Rua do RN.

Além disso, 6,7 toneladas do kit alimentação da merenda escolar foram entregues em quatro fases durante o ano de 2020 a 216 mil alunos matriculados na rede estadual de saúde e que vivem em situação de vulnerabilidade social. mais de 30% desses kits foram adquiridos diretamente da agricultura familiar, fomentando a cadeia produtiva.

“O RN Chega Junto no Combate à Fome é um sinal de que nós continuamos fazendo a nossa parte”, afirmou a governadora Fátima Bezerra durante o lançamento da campanha, nessa quinta-feira (15), que soma investimento de R$ 1,873 milhão do Executivo estadual. Acompanhada do vice-governador Antenor Roberto, ela conclamou além da sociedade civil, a classe empresarial do RN a se juntar no ato de solidariedade, neste momento de crise sanitária e econômica.

Segundo Fátima Bezerra, é o governo federal que dispõe de instrumentos para executar as políticas de natureza macroeconômicas, papel dos governos nacionais em todo o mundo. Ela lamentou o desamparo pelo desemprego das famílias em situação de pobreza e extrema pobreza diante do grave contexto social e econômico que o país vive. “Estamos em um país com mais de 14 milhões de desempregados, famílias desassistidas pelos programas de transferência de renda do governo federal, angustiadas pela situação ainda mais grave em razão da pandemia”, pontuou.

A secretária de Estado da Secretaria do Trabalho, da Habitação e da Assistência Social (Sethas), Iris Oliveira, pasta responsável pela execução da campanha, disse que diante do recrudescimento e agravamento da crise sanitária as populações mais vulneráveis são as mais afetadas pela pandemia que causa impactos sociais e econômicos. “O que mais se agrava nesse cenário são as desproteções causadas pelo ‘desfinanciamento’ das políticas públicas, como a de assistência social”. Por isso, por determinação da governadora Fátima Bezerra, foi criada mais essa campanha emergencial.

Campanha

Supermercados credenciados à Assurn em 68 municípios potiguares irão disponibilizar locais para doação de alimentos. As lojas terão cartazes, banners e adesivos da campanha e diariamente haverá promoções de itens que compõem a cesta básica. A Associação montou uma cesta básica mínima, registrada com adesivo da campanha, para que os clientes comprem pelo valor de R$ 50,00 e façam sua doação.  

Além disso, também foi montada campanha publicitária para incentivar as doações e pensadas outras estratégias como promoções diárias de itens que compõem a cesta básica – a exemplo do arroz e feijão.

Parceria com a iniciativa privada


Nesse cenário dramático, o papel da mobilização da sociedade civil para ajudar as pessoas que passam fome com doações de alimentos tornou-se cada vez maior. Na opinião da governadora Fátima Bezerra, as parcerias são essenciais. Desde o início da pandemia, o governo recebeu o apoio das indústrias de confecção do RN, em especial a Guararapes e Coteminas, além do Sindicato da Construção Civil no RN (Sinduscon), para doação de máscaras, em um investimento da ordem de R$ 3 milhões por meio de ação do Governo Cidadão.

No programa RN Mais Unido - ação de assistência social e de segurança alimentar e nutricional - a parceria foi firmada com a Associação dos Supermercados do Rio Grande do Norte (ASSURN).

O presidente da ASSURN, Gilvan Mikelyson explica que a entidade participa de ações com assistência às comunidades em situação de vulnerabilidade social e a campanha é, mais uma vez, uma soma de esforços com o Governo do Estado para fortalecer e incentivar a iniciativa privada e a sociedade civil a fazerem doação para ajudar a quem mais precisa. A entidade assinou uma carta e encaminhou ao Governo do Estado oferecendo locais nos supermercados como apoio logístico à vacinação da covid-19.

A Assurn já participou de outras campanhas solidárias junto ao Estado como o RN+ Unido, RN Chega Junto e RN Chega Junto Solidariedade Natalina e agora novamente com o RN Chega Junto no Combate à Fome. “Nossa intenção é participar de maneira muito ativa nesta ação social”, frisou. Parte da diretoria da Assurn, presente à solenidade que foi transmitida pelo canal do Governo do RN no Youtube, e representantes das redes Supershow, Nordestão, Supercoop, Rede Mais, Favorito e Bom Dia anunciaram a doação de duas mil cestas básica à campanha.

Programas do governo

Na área socioassistencial, o Governo do Estado criou os programas emergenciais RN Mais Unido, RN Chega Junto e RN Chega Junto Solidariedade Natalina em 2020. Juntas, as iniciativas doaram 104.662 mil cestas básicas, incluindo as novas 35 mil que serão distribuídas neste mês de abril, o que corresponde a cerca de 1,3 mil tonelada de alimentos.

Hoje, no RN, 646.776 famílias estão inscritas no Cadastro Único (CadÚnico) e desse total, 359.206 têm renda entre zero e R$ 89,00 (oitenta e nove reais). Esses números, explicou Iris Oliveira, significam que 1.018.671 pessoas sobrevivem no Estado com essa renda, ou seja, vivem em extrema pobreza.

O secretário de Desenvolvimento Rural e Agricultura Familiar (Sedraf), Alexandre Lima, ressaltou que o Governo do Estado constitui a Lei do Pecafes (Programa Estadual de Compras Governamentais da Agricultura Familiar e Economia Solidária) da deputada Isolda Dantas, sancionada pela governadora Fátima Bezerra em 2019, e que insere a agricultura familiar nas compras do Governo do Estado. Mais de R$ 15 milhões das compras do executivo estadual foram para esse setor da economia, pontuou o secretário.



(Por:Nominuto.com)

Jacó Costa. Tecnologia do Blogger.