Renan atribui a Bolsonaro 11 crimes e pede mais de 70 indiciamentos. Veja os nomes

A versão atual do relatório do senador Renan Calheiros (MDB-AL) prevê 72 pedidos de indiciamento. Entre os alvos estão o presidente Jair Bolsonaro, a quem o relator da CPI da Covid atribui a prática de 11 crimes, e seus filhos Carlos, Eduardo e Flávio, além de ministros como Marcelo Queiroga (Saúde) Wagner Rosário (Controladoria-Geral da Uniã0), Onyx Lorenzoni (Trabalho), Walter Braga Netto (Defesa) e dos ex-ministros Eduardo Pazuello (Saúde) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores). Feita no fim de semana, a versão foi entregue nessa madrugada aos colegas da CPI, que haviam reclamado do vazamento de trechos das conclusões para a imprensa no fim de semana.

Ao todo, sete parlamentares aliados de Bolsonaro estão na lista dos pedidos de indiciamento, como o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), e os deputados Osmar Terra (MDB-RS), Carla Zambelli (PSL-SP) e Bia Kicis (PSL-DF). Bia Kicis chegou a comparecer na reunião em que depôs o empresário Luciano Hang, onde tentou gravar o depoimento, prática proibida nas normas do colegiado. Hang também aparece na relação dos indiciamentos, assim como o pastor Silas Malafaia. O grupo é acusado de disseminar informações falsas sobre a pandemia.

Duas pessoas jurídicas estão citadas na lista. São elas: a VTCLog e a Precisa Medicamentos. A primeira empresa é suspeita de participar de esquema de superfaturamento de material médico com o Ministério da Saúde, enquanto a segunda é acusada de participar em esquema de superfaturamento  na aquisição de vacinas contra a covid-19. Também figura na lista 11 médicos e diretores da Prevent Senior.

Veja a lista de indiciamentos completa aqui.

 

Jacó Costa. Tecnologia do Blogger.